domingo, 23 de dezembro de 2018

Mamada a hétero "casado"

Aqui há uns anos comecei a falar com um gajo que lia o blogue. Ele enviou-me email, começámos a falar. Falamos até hoje. O tipo morava em Lisboa, e fartei-me de combinar cenas com ele. A primeira, foi no jardim zoológico, na casa de banho. Não apareceu. Mas nunca perdemos o contacto. Claro que também não chegávamos a vias de facto. O gajo é hétero, vive com a namorada e nunca tinha estado antes com um gajo. Trocámos WhatsApp e falamos quase diariamente. Manda-me fotos e vídeos do caralhão. Isto começou em 2015. Nessa altura, tinha um bruto caralho com capa (prepúcio). Agora já não, porque o operou. Um caralho mesmo bom, grande, peludo. Cabeçorra. Andava doido para estar com o gajo. Ele põe-me todo duro.

Coincidência das coincidências, o gajo veio morar para o pé de mim… e há umas semanas, anos e anos depois, estive com ele. Combinámos ir lá à casa dele. Mandou-me a localização pelo Google Maps e fui, super nervoso, porque falamos há anos e nunca se tinha concretizado. Pedi para que me recebesse de calças de fato treino e em tronco nu.

Eu adoro héteros. Por serem masculinos, machos. Ele recebeu-me como lhe tinha pedido. Comecei-lhe logo a mexer no caralhão, até que o saquei para fora. Mexi bem naquela cabeça. Nem parecia verdade! Após tantos anos de contacto. Esgalhei naquele pau bom. O gajo contorcia-se de prazer. Baixei-me e mamei um bocado. Quis sentir o sabor e o cheiro daquele pau tão desejado, que há muito via cuspir leite pelos vídeos que me mandava.

Fui otário porque não o mamei até ao fim, mas vontade não me faltou. Passei a mão naquele corpo bom. Esgalhei o pau todo. Apertei-o bem com a minha mão, em movimentos ritmados. Lambi aqueles colhões e apalpei-lhe o rabo, como me tinha pedido.

O gajo esporrou-se em menos de nada. Uma leitada que só visto. Encheu o chão de esporra, que saiu em vários jactos. Mesmo leiteiro, como eu gosto. Já falámos em combinar mais vezes. Para a próxima, quero mamar mais o caralhão dele. E tirar o meu, para me vir também. Naquele dia mal aguentei a tesão. Só bati quando cheguei a casa, e esporrei até ao queixo.

Foi mesmo bom. Ainda bato a lembrar-me. Foda-se.

Vá, feliz natal, e bebam o leitinho todo.

PS: Desculpem lá a ausência de um ano. Não tenho mamado, nada. Afastei-me um bocado disso, daí não atualizar

sexta-feira, 22 de dezembro de 2017

Mamada a hippie.

Olá, já deviam ter saudades minhas, não? Há muito tempo que não escrevo aqui. Não tenho mamado em cruising, ou não tinha, porque há dois dias aconteceu-me uma cena mesmo marada, tão marada que ainda não parei de bater punhetas a pensar na loucura que fiz.

Estava eu numa cadeia de fast food a jantar quando vejo um gajo com aspecto de hippie a subir umas escadas que dão acesso à casa de banho. Eu já estava de saída. Gostei mesmo do aspecto do tipo, todo hétero, desleixado, cabelo comprido, loiro, mal vestido. Voltei a subir as escadas, meti-me na casa de banho dos deficientes por impulso. Só lá estava o gajo a mijar. Foi loucura. Inglês, hippie. Super ingénuo, pensava que eu queria mijar, e saiu logo da sanita. Ahahaha Meti conversa com ele, insinuei que queria ver a pichota dele, mexer e mamar se possível. O gajo ficou maluco com aquilo. Bem, pus-me à sorte de levar um murro nas trombas. O gajo pôs-se a fazer-me perguntas (em inglês, que eu falo) de tipo porque é que ele me atraía, a dizer-me que era hétero e que não curtia e cenas assim. E eu a fazer montes de pressão: vá lá, mamo-te na boa, ninguém precisa saber, fecha a porta e sente o prazer. Notei logo que algum interesse o gajo tinha, senão pirava-se logo ou até levava a mal. Pedi para me mostrar a pila, quase a implorar, e ele acedeu. Um caralhão branco, inglês, com pouco pelo. Estava murcha, mas fazia enchumaço nas calças de tropa. O gajo tinha mesmo aspecto de hippie. Devia ter perto de trinta anos. Depois de mostrar a pila, ia-se embora, mas olhava para a porta e para as poucas pessoas que iam passando e lá me fazia mais perguntas. O gajo estava mesmo indeciso.

Continuei a insistir que o mamava, e num impulso o gajo fecha a porta, saca da picha mole e diz-me "suck it. quickly" (porque eu tinha lhe dito que o mamava rápido até se vir). Foi uma loucura. O gajo nem olhou. Comecei a mamar, mamei, aquilo entesou num instante. Às vezes olhava para a cara do gajo. Estava de olhos fechados e com a cabeça levantada, provavelmente a pensar que uma gaja boa o mamava. Mamei, lambi bem aquela cabecinha. Pichota com capuz (não circuncidado). Tinha um cheiro a caralho suado. Foi tão bom. Pedi para ele me dizer quando se estivesse a vir, mas o gajo nem avisou. Lá se começou a esporrar. Só tive tempo de tirar a pila da boca, com um bocado de meita, e bater-lhe uma. Esporrou-se todo. E eu fui a correr lavar a boca, ahahah Meteu a pila nas calças e bazou. Que bruta mamada e que loucura a minha, man!

Quando saí da cadeia de fast food, estava com amigos. São aqueles gajos estrangeiros que cantam nas ruas a troco de moedas. Acenou-me com os amigos, hahaha

O gajo é um dos loirinhos que anda na baixa com outros hippies. Cabelo comprido. Mesmo fofinho.
Bem, é tudo. Boas festas! Mamadas e leitinho para 2018, é o que vos desejo.

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

Actualização

Boas a todos. Tenho recebido emails, pessoas que me perguntam se deixei o blog. Não, népia. A vontade de escrever é que é pouca. Querem saber de farra, né? Vamos lá. De vez em quando lá bato umas punhetas com uns gajos que vou conhecendo por aí. Há dias mamei um puto indiano, com bom aspecto. Ele trabalha numa loja de telemóveis. Conheci-o porque passava pela loja e via-o todos os dias. Comecei a parar em frente à montra e o gajo começou a reparar em mim. Trocámos olhares e tal. Um dia fez-me sinal para entrar na loja e eu entrei. Perguntou-me o que queria. Disse que o mamava na boa. Mandou-me ir à casa de banho, que ele iria atrás. Fui. Uns minutos depois ele entrou, lá entrámos num cubículo imundo. Sentei-me na tampa da sanita, ele abriu o cinto, a braguilha, e o caralho saltou. Mamei-o, gemi baixinho, e o gajo a fazer-me festas na cabeça. Pedi-lhe para não se vir na minha boca. Ele disse que não, mas esporrou-se um bocado no meu lábio. Tirei-a logo e bati para lhe soltar o resto do leite. Veio-se em jactos para o chão, para cima do meu casaco, uma beca. Hahah Bazou. Eu não aguentei de tesão e esporrei-me em cima da esporra dele. Bati uma quando ele saiu.
Dias antes, bati uma a um gajo num wc do Oriente. O tipo queria que o mamasse. Era xunga. Não gostei muito do aspecto. Apenas bati-lhe uma no cubículo. O gajo disse-me que não se estava a conseguir vir. Que eu tinha de mamar. Insisti que não mamava e continuei a esgalhar. Ao olhar para a cara dele, vi que estava a começar a aproximar-se da esporradela. Ficou a olhar para a picha enquanto eu batia. Passado um pouco, contorceu-se uma beca e esporrou-se todo. Montes de esporra, meio amarela. Tantos esguichos. Até a minha mão ficou esporrada. Bazou. E eu lá bati uma e esporrei em cima daquele leitinho.
Também dei de mamar numa casa de banho, aqui há uns dia. Fui bater para o urinol. Um gajo pôs-se ao meu lado. Queria mamar. Quando não estava ninguém, esgalhei com mais força. Entraram uns gajos que também queriam engatar. Mesmo à cara podre, bati uma virado para os gajos, para a porta. Nisto comecei-me a vir e virei-me para o urinol, para não esporrar o chão. Mas fui mesmo porco e pedi ao gajo do lado para me engolir o leite. Ele baixou-se, eu já me tinha vindo uma beca, mas ainda lhe dei leitinho na boca. Os outros gajos a olharem e eu a gemer à cara podre. Hahah Lavei as mãos e bazei.
Aqui há meses, mamei um puto novo numa casa de banho. Esse veio-se um bocado nos meus lábios. Grande tusa me deu. Já uns dias antes tinha esgalhado um na picha dele, mas veio-se pouco.

É isto, pessoal. Creio que contei quase tudo o que fiz nos últimos meses. :p Se me lembrar de mais, publico. Deixem aqui as vossas reacções. :p Props.

sábado, 9 de abril de 2016

Novidades

Olá pessoal? Como é, tudo bem? Pois é, por aqui tudo bem. Não tenho mamado, por isso não tenho publicado nada. Não tenho assim grandes novidades. Lembram-se de um brasileiro que mamei no box da faculdade? Na altura não disse nada, mas eu filmei-me a mamá-lo (com o meu telemóvel). Acabei por apagar o vídeo depois de umas semanas (um gajo tem sempre medo de perder o telemóvel ou assim e de vazar na internet) e hoje arrependo-me. Dava-me tesão ver aquele vídeo a mamá-lo até ele se esporrar na minha boca. Bem, paciência. Não há nada a fazer. Já era.. Sei que há programas e apps que recuperam vídeos apagados, mas tem de ser há pouco tempo, porque quando apagamos os vídeos eles não desaparecem logo da memória. Vão desaparecendo com novas fotos, novos vídeos, etc.
Resta-me bater à punheta a pensar na bela mamada que lhe fiz. É que esse vídeo não consigo apagar da memória :p

Curtia mamar de novo e filmar. Já ando com saudades de fazer um belo bico até sair leite. E vídeos? Já disse mais de mil vezes para me mandarem vídeos, que eu publico no blog. Vídeos dos vossos paus a esporrar, de punhetas, do que quiserem. Mas mandem!
Vá, fiquem bem. Boas punhetas & mamadas.

terça-feira, 29 de setembro de 2015

Mamada, box da faculdade

Olá, tudo bem com vocês? Pois é malta, venho aqui falar de mais uma mamada que fiz na box da minha faculdade mais uma vez. Um brasileiro contactou-me (o segundo brazuca que mamo lá, hey brazuca aqui sem conotação pejorativa) e combinámos através de email. Bem eu cheguei à box e o gajo ficou de aparecer em cinco minutos. Lá apareceu. Começámos a rir super envergonhados. Ele com medo de alguém entrar na wc e ouvir. Nisto começa a abrir a braguilha, tirou o pau e eu comecei a mamar. Às vezes olhava para o gajo e via os olhos dele fechados só mesmo a sentir o prazer no pau. Tivemos de parar a meio porque um gajo entrou na wc e ele estava com medo que ouvisse. Lá retomámos, eu a mamar aquele pau super branco (o gajo era ruivo, ya brazuca ruivo, também há), um pau não muito grande. Super duro, meio inclinado para cima. O gajo nunca mais se vinha. Eu bem mamava, batia, voltava a mamar, esgalhava enquanto mamava, o gajo a sentir bué prazer mas estava com medo de sermos apanhado e o medo não o deixava relaxar. Bom lá teve de ser: bateu uma na minha boca. Bateu e bateu e lá se esporrou um bocado no meu lábio e o resto no chão. Uma grande mancha de meita no chão. Dissemos tchau e ele bazou. Depois bati uma em cima daquela esporra. Vim-me em cinco minutos ou menos.
Contactei o gajo de novo (é eu sou daqueles que não desliga logo, fico a pensar nos gajos, pode vir uma amizade e tal) mas o gajo nunca mais me disse nada. Fui uma boca para ele e ele, olha uma mamada para mim. Que "sa" foda!

Bem, é tudo. Uma coisa: nem UM ÚNICO vídeo recebi em anos de blog para publicar. Epá, mandem-me vídeos vossos de punhetas, do que quiserem que publico. Curtia MESMO ter um vídeo de um leitor. Vá, fiquem bem. Boas punhetas & fodas. :)

terça-feira, 25 de agosto de 2015

Olá!!

Olá, tudo bem malta? Não escrevo nada aqui há uns tempos. Comigo tudo bem, férias e tal. Sim, eu sei.. querem saber de engates, né? Pois, nada de especial. Há umas semanas mamei um gajo numa casa de banho pública. Entrei, fui mijar já com a intenção de ver se mamava algum. Passados uns minutos entrou um gajo talvez um bocado mais novo que eu, alto, com uma picha enorme. Batemos ali um bocado juntos e quando não estava ninguém fomos para a box. Mamei-o até se vir na minha boca. Nunca mais o vi (nunca mais fui aquele wc). Uma semanas antes disso, também fiz um gajo vir-se a bater uma no urinol no mesmo wc. Um gajo um bocado mais velho que o outro, de picha grande. Veio-se rápido. E pronto, nada de mais especial aconteceu (que me lembre porque só venho aqui de tempos a tempos).

Bom, assim me despeço. Vou tentar aparecer mais vezes e ir actualizando isto. Boas punhetas e bons engates. Já sabem: protejam-se.

sexta-feira, 22 de maio de 2015

Mamar um brasileiro e um tuga.

Olá malta, tudo bem? Há muito tempo que não passo por aqui. As novidades também não são muitas. Ontem mamei um brasileiro na minha faculdade. Combinámos através de email que eu deixei numa porta e o gajo escreveu-me para lá. Foi só combinar.
Combinámos no cubículo do wc e assim foi. Quando cheguei ao cubículo combinado bati à porta, ele abriu. Nem falámos. Tirei o pau dos boxers dele e comecei a mamar. Olhei para o gajo e vi que ele até fechou os olhos de prazer que sentia. Demorou pouco tempo. Estavam a entrar pessoas no wc e eu acho que o gajo estava com medo de sermos apanhados. Loool Peguei na mão dele em direção à minha cabeça, assim para fazer pressão na picha dele. Passado uns minutos o gajo veio-se. Eu tipo, dei por ele se vir e tirei o pau para ver o leitinho jorrar. Foi tão bom.

Ah tenho mais para contar. Vi um número de telemóvel na porta da minha faculdade a propor mamada, mas isto já foi há mais de um mês e mandei sms a outro gajo. Era português. Combinámos eu mamá-lo lá e assim foi. O gajo tinha o pau grande. Mas com este também tirei o meu pau. Mamei-o bem e também bati. Perguntei se o gajo me queria mamar. O gajo não quis. Bem, nisto continuei a bater até que me vim e mamei o gajo até ele se vir. Estava doido de tesão. Isto já foi há uns tempos, só que não escrevi aqui no blogue. Foram as últimas mamadas que fiz. Até era girito. O brasileiro de ontem também não era feio.

Ah, e no Verão passado mamei um italiano na faculdade também. Veio-se rápido. Já tinha uns trintas.

É tudo, continuem a dinamizar isto aqui. Props. :D